sexta-feira, 10 de abril de 2015

Sem metas, sem prazos, só vontade

E então, em uma conversa total e completamente despretenciosa com uma amiga - que tem o nome mais legal dessa vida, Sandy (do Grease, por favor, e não do Junior) - que eu percebi que essa coisa de ter que escrever pra algo, pra alguém ou para o que fosse era completamente desnecessário. Entendi, me parece que de uma vez por todas, que quando organizo essas poucas linhas aqui, é pra mim que escrevo, é pra mim que falo em pensamento. São as minhas memórias sendo preservadas pra mim e tão somente.

Mas, como toda boa jornalista, escolhi fazê-lo em um espaço aberto, onde eu possa compartir com pessoas que de repente se identifiquem com esse mundo surreal que é a minha cabeça meus sonhos, minhas lembranças e meus desejos. Mesmo os mais bobos, os mais esquisitos.

Estão aqui as dores, os orgulhos, as conquistas, mas acima de qualquer coisa, estou eu. Uma Carla Carolina de Oliveira Mendes Carvalho e agora Nako que, às vezes, confesso, até eu desconheço, mas que almejo. Ou que detesto, mas que é necessária, ou passageira. Sou eu como não consigo ser em mais lugar nenhum. Aqui estou em casa.

Mesmo que a todo momento eu entenda que as coisas não podem ser adiadas pra sempre, esse não é meu ponto forte e nem de longe minha melhor qualidade. Sou relapsa, distraída, mas sempre digo que voltei pra ficar. Dessa vez vai ser diferente. Digo que esse é um espaço meu e quem vai ser sempre que eu quiser e que se você passou por aqui, volte. Porque eu estou sempre com alguma coisa nova dentro de mim.

Um comentário:

Thaís Veloso disse...

Começar o ano Lacrando né!!
Eu já te disse, não me lembro ao certo quantas vezes, mas acredito que tenha sido por volta de umas 123.345.567.798 vezes que não há forma melhor de você se fazer entender quando escreve! Pq é de forma descontraída, divertida e fácil que você se explica!
E já disse a mesma quantidade de vezes o que você deveria fazer né!?
Amo você! Demais!